segunda-feira, 27, maio, 2024

Professor e cronista, Antonio Jorge Moreira, morre aos 92 anos

Jornalista deixa legado na educação e no jornalismo esportivo da cidade

Mais lido

Faleceu na quarta-feira (27), aos 92 anos de idade, o professor e cronista esportivo Antonio Jorge Moreira, profissional que marcou época no jornalismo esportivo de Araraquara e também no meio educacional, onde foi professor e diretor de escola. Seu sepultamento aconteceu na quinta-feira (28) no Cemitério São Bento.

Nascido em 30 de setembro de 1931 na cidade de Pindorama-SP, Moreira era filho de Manoel Moreira e Anna Apparecida Moreira e irmã de Maria Therezinha. Corintiano desde criança, aos 16 anos foi convidado para escrever sobre esporte amador para o jornal do Centro Estudantil Pindorama.

Conhecido pelos amigos e familiares como Toninho, era casado com Vânia Eulália Ferraz Moreira e dessa união veio os filhos Marco Antônio, Vinicius e Eloisa, além de netos e bisnetos.

A arte de educar estava em seu sangue e construiu uma bela carreira de professor, função em que desempenhou por 32 anos, 22 deles atuando como diretor de escola.

Já o jornalismo entrou profissionalmente em sua vida no ano de 1958, quando foi convidado por Jorge José Hage para ser correspondente do jornal Gazeta Esportiva. Construiu uma forte ligação com a Ferroviária e acompanhou de perto todos os momentos do clube. Trabalhou na Rádio Cultura, Revista Gazeta Esportiva, Jornal Hoje (do cronista José Conde Sobrinho) e na Folha da Cidade.

Mas foi no Imparcial que ele deixou um material que serviu de base de pesquisas para diversos profissionais da cidade. Com sua coluna “Tópicos do Passado da Ferroviária”, ele apresentou toda a história da equipe contada jogo a jogo, além de paralelamente relatar o dia a dia do time.

Em uma época em que não existia assessoria de imprensa do clube e as informações não eram tão facilmente encontradas como acontece hoje com a internet, era comum os técnicos buscarem informações com Moreira enquanto ele fazia suas coberturas diárias nos treinamentos. No final da primeira década de 2000, Moreira “pendurou as chuteiras” no jornalismo e passou a aproveitar sua merecida aposentadoria.

O jornal O Imparcial lamenta a perda de Antonio Jorge Moreira – ou Ajotaeme, como gostava de assinar -, mas celebra sua vida e legado. Sua dedicação incansável à educação e ao jornalismo deixou uma marca na cidade, inspirando gerações e promovendo valores de integridade, coragem e compromisso com a verdade. Enquanto nos despedimos deste professor e jornalista extraordinário, lembramos não apenas da dor de sua ausência, mas também da gratidão por ter tido o privilégio de compartilhar parte de nossas vidas com alguém tão especial. Que suas lições e memórias continuem a nos guiar no caminho da sabedoria e da justiça, mantendo viva a chama do seu legado para sempre.

(Com informações de Alessandro Bocchi)

Foto: André de Souza-Arquivo

Redação

Mais Artigos

Últimas Notícias