segunda-feira, 27, maio, 2024

Programação cultural gratuita marca reabertura do Teatro Municipal de Araraquara

De 12 a 15 de abril, agenda de eventos inclui música, teatro, dança e encerramento com grande show de Leila Pinheiro

Mais lido

O Teatro Municipal de Araraquara, o maior patrimônio histórico e cultural de Araraquara, reabre suas portas na próxima sexta-feira, dia 12 de abril, com uma extensa programação cultural gratuita, realizada pela Prefeitura de Araraquara, por meio da Secretaria Municipal de Cultura e Fundart, com apoio do Governo Federal, via Ministério do Turismo, e do Sesc.

O custeio da agenda de atividades para inauguração do Teatro Municipal conta com recursos do Ministério do Ministério do Turismo e recursos provenientes de emenda do deputado federal Vicentinho (PT-SP), no valor de R$ 300 mil.

O anúncio foi feito nesta sexta-feira (5), pelo prefeito Edinho, em suas redes sociais. Ao lado da secretária municipal de Cultura, Teresa Telarolli, e do presidente da Fundart, Weber Fonseca, o prefeito destacou a importância da retomada das atividades culturais e artísticas no Teatro Municipal, após uma obra complexa, que praticamente reconstruiu o imóvel. Ele comentou toda a programação e a relevância dos artistas que compõem a agenda.

“Participem da programação especial de reabertura do Teatro Municipal, estou muito feliz com essa retomada. Foi uma obra muito difícil e complicada; refizemos uma nova estrutura. É um novo teatro que está sendo entregue à nossa população”, destacou.

A programação gratuita apresentada na live de Edinho nas redes sociais inclui o show musical “Chico Buarque – Um outro Olhar”, com NU’ZS Duo (dia 12); o espetáculo teatral “Nasci pra ser Dercy”, com Greace Gianoukas (dia 13); espetáculo visual de dança “Enquanto você voava, eu criava raízes”, com Cia. de Dança “Dos à Deux” (dia 14) e show musical com Leila Pinheiro (dia 15).

Todas as apresentações serão às 20 horas e os ingressos gratuitos serão distribuídos na bilheteria do teatro, a partir das 17 horas do dia da apresentação. Serão entregues até 2 convites por pessoa até esgotar a capacidade do local (400 lugares). Haverá telão com exibição simultânea das atrações no saguão do teatro.

A cerimônia de inauguração das obras de reforma do Teatro Municipal “Clodoaldo Medina” está prevista para o dia 12, às 18h30, no saguão do teatro, com a presença de autoridades. Logo em seguida, às 20h, ocorre a primeira atração artística, o show com NU’ZS Duo.

O custeio da agenda de atividades para inauguração do Teatro Municipal conta com recursos do Ministério do Turismo e recursos provenientes de emenda do deputado federal Vicentinho (PT-SP).

 A programação completa pode ser consultada no site da Prefeitura (www.araraquara.sp.gov.br)

A obra

A complexa obra estrutural de recuperação e modernização do Teatro Municipal que está sendo entregue neste dia 12 de abril foi a primeira grande reforma que o Teatro recebeu em seus mais de 40 anos de existência. O investimento total foi de R$ 5.051.363,20.

Os trabalhos tiveram início em 2017, quando o prédio teve que ser interditado por estar em péssimas condições que impediam a sua plena utilização e por oferecer riscos à segurança dos seus funcionários, usuários e patrimonial. Os mais de 2 anos de pandemia de Covid-19 e, em seguida, as volumosas chuvas do final de 2022 provocaram atrasos e interrupção dos trabalhos.

Durante o período de obras, foi refeita toda a parte estrutural do teatro, com reforço da fundação, além de substituição da marcenaria, incluindo as portas, batentes, fechaduras e compensados; troca do mobiliário, instalação de louças e metais dos sanitários, instalação de projeto do revestimento acústico da plateia.

Também foram realizados instalação de equipamentos de iluminação cênica e sonorização, troca de vidros, implantação de projeto de combate a incêndio para atender exigências do Corpo de Bombeiros, incluindo revestimento com verniz anti chama no palco, além de dedetização e descupinização, impermeabilização da laje técnica e pintura.

O teatro recebeu ainda instalação de ar condicionado, troca do piso vinílico interno, instalações elétricas e hidráulicas, recuperação das escadas, pintura e outras intervenções de acabamento; paisagismo e recuperação do piso em pedra portuguesa na entrada, além de limpeza e outras melhorias na sala de espetáculos e outros pequenos reparos e adequações internas.

Vale destacar que a remodelação e a melhoria de todo o sistema de iluminação da Praça Lívio Abramo, incluindo a marquise do Teatro, foram feitas por meio do programa Ilumina Araraquara. O projeto de remodelação contemplou uma nova rede com instalações de 53 novos postes padronizados, equipados com 169 luminárias com tecnologia LED; a iluminação na marquise de acesso ao prédio do Teatro também foi revitalizada. Aqui, o investimento foi de R$ 315.897,00 (via CIP – Contribuição de Iluminação Pública).

História

Inaugurado em janeiro de 1977 pelo prefeito Clodoaldo Medina, o Teatro Municipal foi construído segundo o projeto arquitetônico de Arnaldo Palamone Lepre e Francisco Santoro, para substituir o antigo teatro, que ficava na Rua São Bento, onde hoje está o prédio da Prefeitura. Inaugurado em 1914, o antigo Teatro Municipal de Araraquara foi demolido em 1966.

O projeto do novo teatro, na Avenida Bento de Abreu, contou com o apoio do ator e diretor araraquarense Wallace Leal Valentin Rodrigues. O terreno do novo teatro pertencia ao INSS e foi trocado com a Prefeitura para a construção do espaço.

Desde 2014, o Teatro Municipal de Araraquara tem como patrono o ex-prefeito Clodoaldo Medina.

Confira mais sobre a programação que marca a reabertura do Teatro Municipal:

·         Dia 12 – “Chico Buarque – Um outro Olhar”, com NU’ZS Duo

O show musical “Chico Buarque – Um outro Olhar”, com NU’ZS Duo, formado pelo músico Max Silva e pela cantora e compositora Marcê Porena, abre a programação do dia 12 (sexta-feira). A dupla vem se destacando no cenário musical pela sua originalidade e por introduzir elementos eletrônicos, pop e teatrais, dentro de clássicos e canções populares.

O Brasil de Chico Buarque, neste show do NU’ZS Duo, ganha um novo olhar: visceral, pop, original e contemporâneo, com arranjos e interpretações que proporcionam ao público uma nova viagem musical, poética e de sensações.

Neste show, 22 canções de Chico Buarque são divididas em 2 atos, sendo o I ato, com arranjos que passeiam pela linguagem da música eletrônica e o II ato mais intimista, com versões com guitarra e voz, revisitadas pelo NU’ZS Duo.

O duo foi criado em 2018, quando surge a necessidade dos artistas se reinventarem e adotarem o nome NU’ZS Duo, que tem sua origem em “nudez, despir-se, reinventar-se”, estar livre para experimentar o novo.

·         Dia 13 – “Nasci pra ser Dercy”, com Greace Gianoukas

O premiado monólogo “Nasci pra ser Dercy”, estrelado por Grace Gianoukas e escrito e dirigido por Kiko Rieser, presta uma homenagem a Dercy Gonçalves, artista que rompia padrões e inaugurou uma representação genuinamente brasileira nos palcos brasileiros.

O texto busca unir o apelo popular e o carisma de Dercy através de uma profunda pesquisa: a peça mostra a importância, muitas vezes ignorada, da atriz para o teatro brasileiro e para a liberdade feminina, bem como sua inquestionável singularidade.

Desbocada e defensora da mais profunda liberdade, era muito recatada em sua vida íntima, chegando a se casar e enviuvar anos depois ainda virgem. Contestava frontalmente a censura da ditadura militar, mas se recusava terminantemente a levantar bandeiras políticas específicas que não fossem a da irrestrita liberdade e do respeito a todas as formas de existir.

A atriz se consagrou como vedete do Teatro de Revista, mas sua maior contribuição ao teatro brasileiro se deu ao levar essa expertise para a comédia popular, que ela revolucionou inteiramente, trazendo textos fundamentais para o Brasil e instaurando uma nova forma de interpretar, que rompia com todos os padrões e inaugurava nos palcos uma representação genuinamente brasileira. Amada por quase todo o país, Dercy Gonçalves é uma figura largamente reconhecida, mas pouco conhecida de fato.

“Dercy Gonçalves é retratada quase sempre como apenas uma velha louca que falava palavrão”, fala Kiko Rieser, que no texto procura revelar ao público a mulher grandiosa e complexa que ela foi. “Uma atriz vinda do teatro de revista que recriou a comédia brasileira. Uma mulher que era chamada de puta, mas que casou e enviuvou virgem, iconoclasta e devota, libertária mas avessa a qualquer bandeira, inclassificável e singular”, completa o autor.

·         Dia 14 – “Enquanto você voava, eu criava raízes”, com Cia. de Dança “Dos à Deux”

A Cia. de Dança “Dos à Deux” apresenta o espetáculo “Enquanto você voava, eu criava raízes”, com a narrativa visual de dois corpos se fundem e se perdem em uma relação precisa entre imagens, fisicalidade, virtuosidade e poesia.

Em cena, nenhuma palavra é dita. Nesse navegar por várias linguagens, os significados também se apresentam diversos e chegam ao público em camadas múltiplas e plurais. Entre sonho e realidade, somos apenas um emaranhado de sombras e luzes, diante do imensurável, da imensidão e do mistério do abismo. É um espetáculo sensorial e nos toca ao tratar de múltiplos medos “espaços íntimos de sensações”, como disseram os criadores André Curti (este de Araraquara) e Artur Luanda Ribeiro.

O corpo é o guia da partitura e a fonte de leitura do trabalho. As cenas se completam e transitam entre o onírico e a realidade para tratar de um tema que acompanha o ser humano ao longo de sua vida, o medo e sua transformação. “Para mim, nesse espetáculo, ficamos na beira do abismo desde o início”, diz André. “São os abismos que temos dentro de nós, essa sensação de vazio permanente, de que há algo dentro se abrindo e um outro eu está caindo dentro de si”, completa Artur.

Nos estranhamos tanto a ponto de nos perdermos no próprio reconhecimento? As imagens são marcadas pela dor e pesar, mas ainda assim há um caminhar, seguir em frente.

·         Dia 15 – Grande show com Leila Pinheiro

Intérprete de repertório vasto, a cantora, pianista e compositora Leila Pinheiro, vem tocando e cantando, em seus 43 anos de carreira, o riquíssimo e infinito cancioneiro brasileiro através de seus incontáveis e geniais compositores e poetas.

Em um encontro íntimo e ao mesmo tempo vigoroso, de sua voz e piano com o cavaco de 5 cordas e guitarra baiana do grandioso músico petropolitano, radicado no Rio de Janeiro, João Felippe, Leila faz um passeio pelo melhor da MPB, sambas e bossas, tocando e cantando pérolas de compositores geniais, como: Chico Buarque, Ivan Lins, Gonzaguinha, Guilherme Arantes, Paulinho da Viola, Tom Jobim, Roberto Menescal e de compositoras como Zélia Duncan, Marina Lima, Dona Ivone Lara – dentre outras.

No show, há ainda espaço para canções de carreira da Leila como “Verde” e “Besame”. Além de algumas surpresas preparadas especialmente para o evento.

Para os amantes da boa e eterna música popular brasileira, na voz única de Leila Pinheiro, é daqueles shows de cantar e se emocionar do início ao final e jamais esquecer. Leila Pinheiro não se apresenta em Araraquara desde abril de 2022, quando realizou, com ingressos esgotados, seu show solo no teatro do Sesc na cidade.

Redação

Mais Artigos

Últimas Notícias