sexta-feira, 23, fevereiro, 2024

Araraquara realiza ato pelo “Dia da Vitória da Democracia”

“Araraquara entrou para a história como a cidade onde o presidente Lula deu início à derrota do golpe”, disse Edinho Silva

Mais lido

Por José Augusto Chrispim

Um ato pelo dia 8 de janeiro foi realizado na noite dessa segunda-feira (8), na sede do Sindicato dos Bancários de Araraquara. O ato chamado de “Dia da Vitória da Democracia” contou com representantes do PT, PCdoB, Partido Verde, MDB, PSB, PDT, Progressistas, PSOL e do Rede 18.

O encontro marcou o primeiro ano da invasão das sedes dos três poderes em Brasília e a tentativa frustrada de golpe de estado ocorrida em 08 de janeiro de 2023. Com o salão lotado, o evento reuniu lideranças políticas de vários partidos do campo progressista de Araraquara e região, além de contar com as presenças da deputada estadual Thainara Faria (PT), do ex-prefeito Marcelo Barbieri (MDB), do presidente da Câmara Municipal Paulo Landim (PT), do vice-presidente do Legislativo Aluísio Boi (MDB), do vereador Guilherme Bianco (PcdoB), da vereadora Fabi Virgílio (PT), secretários municipais, líderes sindicais e simpatizantes.

Araraquara contra o golpe

Em seu discurso, o prefeito Edinho Silva (PT) destacou a importância de Araraquara nas decisões tomadas pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) diretamente do 6º andar da Prefeitura de Araraquara, que ajudaram a evitar o golpe de estado que estava em curso na capital do país, no dia 8 de janeiro de 2023.

“Eu fui estimulado para estar em Brasília nessa segunda-feira, pois a minha presença teria representatividade lá, mas eu respondi para todas as lideranças que me procuraram que o meu lugar hoje era aqui em Araraquara, para agradecer a quem esteve em frente da prefeitura naquele dia 8 de janeiro, mas também para dizer que o dia 8 de janeiro tem que ser lembrado e celebrado todos os anos para que a gente nunca mais corra o risco de ter uma tentativa de golpe outra vez. A importância de Araraquara é fundamental no ponto de vista histórico”, ressaltou Edinho.

País dividido

Edinho lembrou também que a luta contra o fascismo ainda não terminou no país e que as próximas eleições ainda serão muito polarizadas. Ele destacou que não foi a parcela da população brasileira que se deixou levar pelo pensamento fascista e autoritário, sem mesmo ser fascista, que votou contra o campo progressista nas últimas eleições, que foi responsável pela tentativa de golpe no ano passado, mas aqueles 20% a 25% que se identificam com o autoritarismo que deram respaldo para aquilo que aconteceu em Brasília.

“Pesquisas recentes mostram que apenas 14% dos brasileiros aprovam aquilo que aconteceu em Brasília, mas nós sabemos que aqueles que se identificam com o bolsonarismo são bem mais que esses 14%. Aqui em Araraquara a gente tem gente que financia esse discurso de ódio, assim como vemos em outros lugares do país, por isso, penso que só vamos derrotar o fascismo quando o povo se unir e for consolidada uma aliança democrática ampla. Eu acredito que a maior obra do presidente Lula será reunificar o Brasil e derrotar o fascismo, mas para isso temos que enxergar mais aquilo que nos une e menos aquilo que nos separa”, disse o prefeito.

História eternizada

Por fim, o petista destacou o fato de o presidente Lula estar em Araraquara no dia em que a tentativa de golpe frustrada foi realizada. “Aqui foi a cidade em que nós valorizamos a ciência, aqui foi a cidade em que os filhos do Bolsonaro tentaram me fazer sofrer um impeachment e as forças democráticas da cidade derrotaram essa tentativa de golpe, aqui foi a cidade onde o presidente Lula estava em um gesto de solidariedade, pois vivenciamos a maior tragédia natural da nossa história, quando a tentativa de golpe foi realizada. Portando, Araraquara entra para a história como a cidade de onde partiram as decisões do presidente Lula, junto do Congresso Nacional e com as lideranças políticas que derrotaram a tentativa de golpe. Nós vamos eternizar essa data importante da história como a primeira cidade a ter uma rua em homenagem ao dia 8 de janeiro”, falou.

Derrotar o fascismo em 2024

“Em 2024, nós vamos derrotar o fascismo e fazer com que o Brasil volte a respeitar a democracia a partir daqui da cidade onde a gente mora. É aqui que nós vamos mostrar ao Brasil o que nós queremos para nossos filhos. E, nesse sentido, o que nos espera em 2024 é a missão de isolar o fascismo em Araraquara. E, para isso, teremos que construir uma ampla frente democrática para que a gente mostre ao Brasil que o caminho é o do campo democrático contra o ódio e contra a intolerância”, finalizou Edinho.

“Não aceitaram a derrota”

Para o ex-prefeito Marcelo Barbieri (MDB), o que deu início a tentativa de golpe, foi a não aceitação da derrota pelos bolsonaristas.

“Quando eles perderam as eleições, eles não acreditaram, mas já era tarde, pois a união das forças democráticas fez com que o Lula ganhasse as eleições no segundo turno. A ficha demorou para cair e eles fizeram um movimento tardio, mas, nesse momento, o presidente Lula já tinha se articulado e feito uma composição de governo que garantia a ele a condição de estabilidade democrática para governar. Foi graças a competência política do Lula que o Brasil teve a estabilidade democrática no parlamento para poder resistir ao golpismo. Hoje, quem entrou naquela aventura de tentar um golpe contra a democracia, está pagando um preço alto”, disse Barbieri.

Ditadura nunca mais

O emedebista relatou quando foi detido e levado para o Dops em 1979, durante a ditadura militar, onde sofreu violência por parte dos policiais. Ele lembrou dos horrores da ditadura que praticou a tortura, o massacre, e ressaltou que o ex-presidente Jair Bolsonaro é a favor da tortura. “O que eles querem é implantar outra vez no Brasil esse regime que nós derrotamos. E nós derrotamos a ditadura no colégio eleitoral em uma aliança do Sarney com o Tancredo. Em seguida, o Ulisses fez a Constituinte. O que eu quero registrar é que foi uma coincidência feliz que nesse dia, o presidente Lula estar aqui em Araraquara, onde manteve a calma para resolver situação e depois realizar um ano de grandes avanços na economia brasileira e na vida dos brasileiros”, falou Barbieri.

Força da democracia

A secretária da Saúde e pré-candidata a prefeita, Eliana Honain, destacou a importância da união de forças diferentes na defesa da democracia. “Eu quero agradecer a todos os membros de todos os partidos aqui presentes que mostraram que, apesar das diferenças, não existe diferença na defesa da democracia. Nós vivenciamos um período que vai ficar marcado na história mundial que começou no ano de 2020 com a pandemia, algo que ninguém esperava, e nós vivenciamos esse momento, onde perdemos parentes e amigos, mas nós vencemos esse período e estamos aqui. E a história do 8 de janeiro começou para nós aqui em Araraquara na pandemia, quando um governo comandado por um presidente fascista que não acreditava na ciência e Araraquara mostrou que era totalmente contrária aquilo que aquele governo pregava. E foi exemplo, inclusive perseguida por aquele governo, nós sabemos o que sofremos por isso, mas Araraquara foi reconhecida porque nós tivemos a coragem de ser a única cidade brasileira a fazer um lockdown de verdade, e com isso diminuímos 70% dos óbitos e dos casos graves. Mesmo assim, foi esse governo que nos perseguiu, perseguiu o prefeito, me perseguiu e, não pelo lockdown, mas pelos resultados que nós alcançamos e mostramos para esse país e até fora do país que aqui tem liderança e que aqui temos um lado que é o lado da ciência e o lado da democracia. Outra coisa que nós vivenciamos foi o 8 de janeiro de 2023 na cidade de Araraquara, e isso não é por acaso, porque a cidade que se mostrou capaz de enfrentar um governo fascista durante uma pandemia, na qual o governo não teve capacidade de liderar uma política de saúde, foi aqui que Araraquara se mostrou capaz de junto do presidente Lula, naquele domingo, vencer aquele que foi o maior movimento antidemocrático vivido neste país depois de 1964. Nós sabemos o que é viver uma ditadura, assim como relatou aqui o Marcelo, então, nós sabíamos que esse seria o momento, mas com toda a sabedoria daquele que sabe governar muito bem esse país e tomou uma decisão certa, hoje todos nós comemoramos a democracia. Mas a luta continua, nós vencemos por meio por cento, essa luta vai acontecer agora em 2024, por isso, todos nós estamos aqui, mesmo com nossas diferenças, porque nós não queremos retrocessos em Araraquara, nós não queremos retrocesso na nossa região. Por isso, nós estamos unidos e podem ter certeza que eu que, nesse momento, posso representar essa perspectiva, lutarei com todas as minhas forças para que Araraquara não tenha retrocesso. E nós, todos unidos, vamos fazer valer aquela maior conquista que tivemos na Constituição de 1988, que foi a volta da democracia nesse país, nós não podemos perder isso, por isso, estamos todos unidos aqui para fazer com que a democracia vença mais uma vez em Araraquara”, declarou Eliana.

Redação

Mais Artigos

Últimas Notícias