quinta-feira, 18, abril, 2024

Boletim de Conjuntura Econômica analisa o mercado de trabalho na Região Central

Em 2023 foram efetuadas 159.064 admissões e 152.359 desligamentos, resultando em 6.705 novos postos de trabalho

Mais lido

O 5º Boletim de Conjuntura Econômica: Mercado de Trabalho traz uma análise sobre o comportamento do mercado de trabalho formal nos 26 municípios da Região Administrativa Central do Estado de São Paulo, ao longo do ano de 2023, de modo a contribuir para a promoção das discussões sobre a dinâmica econômica regional.

A Região Administrativa Central é composta pelos municípios: Araraquara, São Carlos, Matão, Américo Brasiliense, Boa Esperança do Sul, Borborema, Cândido Rodrigues, Descalvado, Dobrada, Dourado, Fernando Prestes, Gavião Peixoto, Ibaté, Ibitinga, Itápolis, Motuca, Nova Europa, Porto Ferreira, Ribeirão Bonito, Rincão, Santa Ernestina, Santa Lúcia, Santa Rita do Passa Quatro, Tabatinga, Taquaritinga e Trabiju.

Os dados de emprego com carteira assinada, fornecidos pelo NOVO CAGED, foram analisados neste Boletim. No Boletim estão destacados o comportamento do mercado de trabalho nos dois maiores municípios da Região, Araraquara e São Carlos, e a trajetória dos municípios que obtiveram os maiores saldos de empregos gerados no ano e os que obtiveram as maiores perdas de postos de trabalho.

Analisando a Região Administrativa como um todo, observa-se que a geração de empregos formais teve um saldo positivo. Durante esse período, foram efetuadas 159.064 admissões e 152.359 desligamentos, resultando em um saldo total de 6.705 novos postos de trabalho. Todavia é um número bastante inferior ao volume de empregos criados em 2022, um total 12.384, o que representa uma queda de 45,9% na geração de empregos.

Esse baixo dinamismo da região, comparativamente ao ano anterior, supera em muito o baixo dinamismo já observado no Brasil onde a retração na geração de emprego formal foi na ordem de 26%, e no Estado de São Paulo cuja redução na capacidade de geração de saldos de emprego foi de 31%. Um cenário que demonstra que a capacidade de geração de emprego dos municípios da região é ainda mais desafiadora do que se observa no Estado de São Paulo e no Brasil. Mas também revela que tanto a Região Administrativa Central como o Estado de São Paulo enfrentam a incapacidade de dar dinamismo à economia, promovendo a ampliação dos investimentos e a capacidade de geração de empregos de qualidade.

É relevante ressaltar que alguns municípios se destacaram na criação de empregos, contribuindo de forma significativa para o saldo positivo da região. Com destaque para Matão que liderou a geração de empregos com um saldo de 1.380 novos postos de trabalho, seguido de Rita do Passa Quatro, com 707 novos empregos, São Carlos, com 651, Ibitinga com 653 e Descalvado com 610 novos postos de trabalho. Na sequência, o Boletim traz uma análise de cada uma destas cidades.

Além destes municípios destacados, merece referência o fato dos municípios como Itápolis, Ibaté, Gavião Peixoto, Taquaritinga, Porto Ferreira, terem gerados expressivos saldos de empregos do ano.

Contudo, outros municípios enfrentaram desafios ainda maiores na geração de empregos, como Ribeirão Bonito, que registrou a maior perda de postos de trabalho no acumulado do ano, 299 vagas fechadas. Seguido de Tabatinga, que perdeu 85 postos de trabalho, Motuca que também perdeu 22 vagas. O município de Dourado apresentou um saldo zero e Santa Lúcia gerou um saldo de apenas 9 vagas de emprego. Estas cidades também são analisadas separadamente na sequência.

A análise setorial desempenha um papel crucial na compreensão do desempenho dos cinco principais grupos de atividades econômicas nos municípios, permitindo uma visão mais abrangente do comportamento na geração de empregos.

UNESP

O Boletim de Conjuntura Econômica: Mercado de Trabalho é uma publicação eletrônica e impressa do grupo PET Economia do Departamento de Economia da Faculdade de Ciências e Letras da UNESP, Campus de Araraquara. O PET Economia é formado por alunos do Curso de Ciências Econômicas, sob tutoria da Profa. Dra. Suzana Cristina Fernandes de Paiva, com apoio e financiamento da Pró-Reitoria de Graduação/PROGRAD/UNESP.

O Boletim tem periodicidade trimestral e analisa os principais indicadores do mercado de trabalho dos municípios, com a finalidade de identificar e apontar, com linguagem simples e acessível, os movimentos da dinâmica econômica municipal e regional, a partir de análises conjunturais e da construção de indicadores.

Base de dados

A base de dados utilizada é a do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados – Novo CAGED -, derivado do cumprimento de obrigação trabalhista definida pela Lei nº 4.923/1965. De periodicidade mensal, o Novo CAGED tem como objetivo monitorar a evolução do mercado de trabalho formal, permitindo captar os movimentos setoriais de admissões, desligamentos, estoque de mão-de-obra e análise de gênero no mercado de trabalho relacionados aos empregados formais celetistas (incluindo contratos de trabalho com prazo indeterminado e determinado, aprendizes, trabalhadores intermitentes, por tempo parcial e temporários) e áreas potenciais no mercado de trabalho regional.

Redação

Mais Artigos

Últimas Notícias