quarta-feira, 17, julho, 2024

Núcleo de Educação de Jovens e Adultos recebe Diploma de Honra ao Mérito da Câmara

Neja “Irmã Edith” foi homenageado em Sessão Solene na noite de quarta-feira (19), em iniciativa do vereador Guilherme Bianco (PCdoB)

Mais lido

A Câmara Municipal entregou o Diploma de Honra ao Mérito para o Núcleo de Educação de Jovens e Adultos, o Neja “Irmã Edith”, em Sessão Solene realizada no teatro do Sesc Araraquara, na noite de quarta-feira (19). A iniciativa da homenagem é do vereador Guilherme Bianco (PCdoB).

A EJA é uma modalidade do ensino fundamental destinada às pessoas maiores de 15 anos que não tiveram oportunidade de cursarem o estudo em idade própria. Isso promove um encontro entre gerações, já que permite a convivência entre pessoas de diversas idades (desde os 15 anos até mais de 80).

O Neja, localizado na região central de Araraquara, é uma das duas unidades da rede municipal que oferecem o programa de Educação de Jovens e Adultos (EJA) — a outra é o Caic “Rubens Cruz”, no Jardim Roberto Selmi Dei.

“Sem a educação, não é possível construir um mundo diferente. Em nome da cidade de Araraquara, quero agradecer a cada um de vocês por tudo o que vocês fazem para a nossa cidade. Professores, servidores, estudantes. Cada um de vocês inspira a cidade de Araraquara mostrando que, sim, é possível construir um mundo diferente e que sorria para todos e para todas”, disse Bianco.

A secretária municipal da Educação, Clélia Mara dos Santos, agradeceu à Câmara Municipal pelo reconhecimento ao trabalho do Neja e recordou a trajetória do núcleo educacional. “A política de Educação de Jovens e Adultos é vertebral para a construção de uma cidade mais solidária, participativa, de todos e de cada um. Para ser tudo isso, ela precisa que aqueles que, por qualquer razão e motivo, ao longo do processo de escolarização, não puderam usufruir da escola tenham a garantia de que essa escola exista e exista com qualidade”, salientou.

A diretora do Neja, Maria Gorete dos Santos Netta, afirmou que aprende muito diariamente com os estudantes. “Sem ter oportunidade de estudar, essas pessoas que chegaram à EJA criaram suas famílias, fizeram as suas profissões, vieram de outros estados e países, com outras culturas, e nos enriquecem muito com suas histórias. A EJA oportuniza que essas pessoas possam ‘desabrochar’ através da educação. A gente aprende, na EJA, a ter esperança”, disse Gorete.

Referência

Parceira do Neja, a Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) teve duas representantes na mesa de autoridades. Jarina Rodrigues Fernandes, que também é do Fórum de Educação de Jovens e Adultos do Estado de São Paulo, parabenizou Araraquara pela realização do programa. “Vocês têm sido um sol para o estado de São Paulo. Desejo que vocês continuem brilhando. Temos 645 municípios no estado. Praticamente um terço deles [1/3] está com as matrículas zeradas na EJA. É muito triste”, relatou.

“O grupo que chega para estudar na EJA é muito diverso, mas tem histórias semelhantes no sentido de ter sofrido algum tipo de exclusão ao longo de sua vida. Somos, na EJA, a maior representação que nós temos do nosso país”, afirmou a professora doutora Roseli Rodrigues de Mello.

Representando os professores da EJA, Miriam Vanalli falou sobre a relação com os alunos. “Ali, a gente sabe o que é ser professor, o que é ser valorizado. Os nossos alunos nos amam, nos agradecem. Eles são acolhidos e amados também”, disse.

Hugo Brêda, ex-professor do Neja, relatou que aprendeu muito convivendo com os estudantes. “Era sempre um desafio: como encontrar uma linguagem para dialogar com tantas diferenças de idade e de experiências de vida. Mas também era muito gratificante perceber como as histórias de cada um deles possibilitavam aprendizagem e conhecimento sobre o mundo. Para eles e para mim”, afirmou.

Dois alunos do Neja utilizaram a palavra. Sheila Cristina Rodrigues parabenizou todos do Neja pela honraria e fez um breve agradecimento pela oportunidade de representar os colegas.

E Jefferson Bezerra Mesquita utilizou a palavra “renascimento” para definir o que o Neja significa em sua vida. “Eu não tinha mais sonhos, achava que não poderia chegar a lugar nenhum. Mas voltei a sonhar e a acreditar que sou capaz de fazer uma faculdade, de me formar e tocar a minha vida”, declarou o estudante.

A Sessão Solene foi gravada e será exibida na programação da TV Câmara (canal 17 da rede a cabo da Claro/Net) e no YouTube da Câmara de Araraquara.

Histórico

O Neja iniciou suas atividades na Educação de Jovens e Adultos de Araraquara em 2007. Nos últimos sete anos, desde 2017, 721 moradores de Araraquara tiveram a possibilidade de término do ensino fundamental e continuidade dos estudos, de inclusão no mercado de trabalho e de ressignificação para a vida do estudante, garantindo o direito de realizar sonhos.

A equipe escolar é constituída por professores, coordenadora pedagógica, agentes educacionais, agente social, assistente administrativo, agente de serviços escolares, direção e trabalhadores terceirizados.

O Neja também mantém parcerias com instituições de ensino superior, como a UFSCar, a Universidade Estadual Paulista (Unesp) de Araraquara e a Universidade de Araraquara (Uniara), entre outras faculdades.

O Neja “Irmã Edith” fica na Rua Voluntários da Pátria (Rua 5), nº 2154, no Centro. O horário de atendimento é das 10 às 21 horas. Os telefones para contato são: (16) 3333-2967 e (16) 3334-2306.

Inscrições

Estão abertas as inscrições para o segundo semestre da EJA em Araraquara. O candidato deve estar com os documentos pessoais e procurar uma das duas unidades que atendem o programa: uma delas é o Neja “Irmã Edith”, no Centro, e a outra é o Caic “Rubens Cruz”, no Jardim Roberto Selmi Dei.

Ao final do curso, o formando receberá um certificado equivalente ao ensino fundamental.

Redação

Mais Artigos

Últimas Notícias