sexta-feira, 1, março, 2024

Ação no Paço Municipal marca o Dia Mundial de Luta Contra a Aids

Mobilização com testagens gratuitas também será realizada ao longo da próxima semana em diversos pontos da cidade

Mais lido

Uma solenidade realizada em frente ao Paço Municipal deu início a uma ação pelo Dia Mundial de Luta Contra a Aids, celebrado nesta sexta-feira, 1º de dezembro. Promovida pela Prefeitura de Araraquara por meio do Centro de Testagem e Aconselhamento IST/Aids (CTA) e da Coordenadoria de Vigilância em Saúde, a mobilização ofertou testagem rápida para HIV, sífilis, hepatite B e hepatite C para a população interessada. A ação faz parte da campanha “Fique Sabendo”, desenvolvida por meio do Programa Estadual de IST/repassada à Secretaria Municipal de Saúde. O tema deste ano é “Mais respeito e menos preconceito”.

O prefeito Edinho falou sobre a importância de uma conscientização em torno do tema. “Agradeço a todos os parceiros, servidores públicos, trabalhadoras e trabalhadores da saúde, que no dia a dia fazem esse trabalho de conscientização, de enfrentamento às doenças sexualmente transmissíveis e que fazem um trabalho histórico de combate à Aids. Hoje é o dia de luta pela conscientização, de luta contra o preconceito e de luta pelas políticas públicas de acolhimento, de prevenção e de tratamento às pessoas que vivem com Aids. Todas as doenças precisam ser combatidas e, principalmente as doenças sexualmente transmissíveis, se combate com conscientização e política com prevenção. Mas quando as pessoas adoecem, elas precisam ser acolhidas, serem tratadas e serem cuidadas. Certamente a pior de todas as doenças referentes à Aids é o preconceito. O preconceito e a discriminação intimidam e muitas vezes impedem que as pessoas procurem o tratamento. É o preconceito que temos que enfrentar”, pontuou.  

A vereadora Filipa Brunelli (PT) falou em nome da Câmara Municipal de Araraquara no encontro. “O vírus do HIV Aids não tem classe social, não tem gênero, não tem orientação sexual, não tem raça e nem religião, mas tem pessoas que estão mais vulneráveis e expostas. É disso que precisamos falar e é até essa população que precisamos de fato levar esse conhecimento, levar o atendimento específico para que possamos avançar no que tange e é tão sonhado, no esperançar da cura da Aids”, reforçou.

A secretária de Saúde, Eliana Honain, mencionou os avanços que Araraquara teve em relação às ações preventivas da Aids. “A nossa grande meta é tratar e dar dignidade àquelas pessoas que são portadoras da Aids e evitar que outros adoeçam. Mas nada disso seria possível se não tivéssemos um governo com sensibilidade e que tivesse todas as ações e o compromisso governamental intersetorial para que esses programas pudessem acontecer. Temos um gestor que trabalha muito para que a nossa cidade seja a mais inclusiva, a mais humana e a mais cidadã”, exaltou.

A enfermeira e gestora municipal de IST/Aids de Araraquara, Saliane Ribeiro, enalteceu as homenagens da data. “Hoje é um dia solene em que homenageamos as vítimas dessa terrível epidemia, mas também comemoramos os avanços da medicina e das pesquisas, que permitiram às pessoas que convivem com o vírus terem uma melhor qualidade de vida e até envelhecer. É uma população que está envelhecendo, mas não é só sobre isso. É também ter seus direitos garantidos, políticas públicas específicas sendo cumpridas e o acesso facilitado”, justificou.

O gestor do programa “Close na Prevenção”, Alberto Carlos Andreoni de Souza, também valorizou a data. “Neste dia, pessoas de todo mundo se unem para demonstrar apoio às pessoas que vivem com HIV. É preciso exigir comprometimento dos governos no enfrentamento da epidemia e apresentar as iniciativas que a sociedade civil e outras organizações estão implementando com a finalidade de vencer a Aids. A importância da celebração no 

Dia Mundial de Luta Contra a Aids permanece tão relevante hoje como sempre foi. Lembra a sociedade e o governo que o HIV não desapareceu. Está entre nós há 40 anos, não tem vacinas e ainda tem um número expressivo de óbitos”, pontuou.
Ele também aproveitou para demonstrar sua gratidão por uma novidade. “Quero agradecer ao prefeito Edinho porque um novo dispositivo que vai abraçar a população será implantado em Araraquara a partir do primeiro semestre do próximo, que é o Sae municipal, Serviço de Atendimento Especializado para o tratamento com pessoas que convivem com a Aids. Hoje temos uma demanda grande que não conseguimos atender mais e o Sesa, que é um serviço de excelência, não consegue absorver mais. Ele será um braço do Sesa, trabalhando em parceria, em conjunto, e falando a mesma linguagem”, frisou.

Izaías Ambrosio da Silva, que representou as ONGs e a sociedade civil no ato, também destacou a necessidade de fortalecer cada vez mais as políticas públicas em torno dessa população. “Hoje é um dia de lembrar as pessoas que passaram pelas nossas vidas, aquelas que ajudamos a encaminhar. É um dia de assessorar as famílias, dar um ombro amigo e lembrar também de uma grande ativista que Araraquara teve, que foi a dra. Clara Peckman, uma pessoa ímpar no nosso município. Hoje temos um trabalho de referência dentro da cidade. O movimento social lutou muito e continua lutando para as questões da Aids não serem esquecidas e para que a política pública continue funcionando”, observou.

A coordenadora do Grupo de Apoio e Solidariedade ao Portador de HIV/Aids de Araraquara (Gaspa), Elenice Aparecida Carvalho, falou sobre a relevância dessa luta. “O 1º de dezembro foi instituído pela Lei 3.504 de 2017 e marca uma grande mobilização na luta contra o vírus HIV Aids. A lei tem apenas seis anos, mas a luta tem mais de 40 anos. É uma luta para conscientizar e agradecer. Temos uma luta bem árdua”, resumiu.

A solenidade, que contou com uma apresentação da Família Afrosom e da banda Chiquinha Gonzaga, contou ainda com a participação dos vereadores Guilherme Bianco (PCdoB) e Edson Hel (Cidadania); da secretária municipal de Administração, Juliana Lujan; e do chefe de Gabinete, Renato Ribeiro.

Números

Em 2022, o programa IST/Aids/CTA contabilizou 53 novos casos de HIV (mais sete em gestantes),  323 novos casos de sífilis (mais 53 gestantes)  e 6 óbitos relacionados ao HIV/Aids. Em 2023, até junho, foram diagnosticados 27 novos casos de HIV (mais 5 em gestantes), 133 casos novos de sífilis (mais 23 em gestantes) e 9 óbitos relacionados ao HIV/Aids até agora. Temos no Programa 249 pessoas cadastradas fazendo uso da Profilaxia Pré Exposição (PrEp), sendo que 5% desse valor provém da rede privada. Em 2022, foram atendidos 129 casos de Profilaxia Pós-Exposição (PEP) e em 2023 foram 27 casos até junho.

Foram realizados no CTA e em ações extramuros cerca de 15.800 testes rápidos com diagnóstico de 122 casos de sífilis e 88 casos de HIV. Até agosto deste ano, foram distribuídos aproximadamente 360 mil preservativos internos e externos e gel lubrificante. 

Programação

Quem não pôde comparecer nesta sexta-feira poderá fazer o teste a partir do dia 4 de dezembro na Rua Padre Duarte, 2414, no Centro, das 7h30 às 16h30, ou em outras ações que serão realizadas posteriormente na cidade.
A programação terá sequência neste sábado (2), quando os mesmos serviços serão oferecidos das 7h às 13h na USF do Jardim Maria Luiza. No domingo (3), a ação será desenvolvida das 16h às 20h no Choro das Águas, na Praça do Daae.

A semana terá início com uma ação na segunda-feira (4), das 15h às 19h, na região das boates do Jardim Arco Íris. Na terça (5), a programação terá sequência às 12h45 com uma palestra na  Faculdade de Farmácia da Unesp. Na quarta (6) das 7h30 às 11h, a ação atuará no posto de saúde do Vale do Sol. Na quinta (7), das 7h às 13h, a ação será oferecida no CMS do Selmi Dei I. Na sexta-feira (8), das 9h às 15h, será a vez do Parque Infantil receber a mobilização, que também será feita no sábado (9), das 7h às 13h, no Quilombo Rosa, e no domingo (10), das 17h às 22h, na Rolê Feira, na Praça do Paliteiro.

Redação

Mais Artigos

Últimas Notícias