segunda-feira, 20, maio, 2024

Ciclos de Letramentos Raciais são ministrados em unidades escolares pela equipe do Centro Afro

Atividades reuniram toda a comunidade escolar, envolvendo direção, agentes escolares, profissionais da limpeza e professores da unidade

Mais lido

A equipe do Centro de Referência Afro “Mestre Jorge” ministrou no último mês um ciclo de letramentos raciais nos Centro de Educação e Recreação (CER) “Dona Rosa Ribeiro Stringhetti” (Jardim América); no CER Leatrice Rodrigues Affonso (Parque Gramado II), no CER Profª Maria da Glória Fonseca Simões (Jardim Maria Luiza) e no CEC Piaquara (Vila Xavier).

O ciclo de palestras ocorreu durante o horário de trabalho pedagógico coletivo (HTPC) com a participação de toda a comunidade escolar, envolvendo a direção, os agentes escolares, os profissionais da limpeza e os professores da unidade. A expectativa é que o trabalho realizado atinja aproximadamente 1.200 alunos.

Na oportunidade, a equipe apresentou a programação de atividades realizada pela Coordenadoria Executiva de Políticas Étnico-Raciais e os aparelhos vinculados a ela como o Centro de Referência Afro “Mestre Jorge”, Casa SP Afro Brasil “Oswaldo da Silva Bogé” e o Centro de Cultura de Religiões de Matrizes Africanas “Genny Clemente”, além dos dados do Programa SOS Racismo.

O Programa SOS Racismo atua no acolhimento, orientação e encaminhamento a vítimas de violência racial. Segundo dados da coordenadoria, o programa acolheu, entre julho de 2022 a julho de 2023, em média 80 casos de racismo. Até o presente ano, mais de 20 casos passaram pelo programa.

O Letramento Racial compõe parte dos trabalhos desenvolvidos no Programa SOS Racismo, como método educacional desenvolvido para o enfrentamento ao racismo e formação onde abordamos as diversas praticas que o envolvem para além da legislação vigente antirracista 11.645/2008, 14.532/2023 entre outras.

Para a coordenadora de Políticas Étnico-Raciais, Alessandra Laurindo, envolver a comunidade escolar no processo de formação é ter a certeza que a unidade de fato se transformará num espaço antirracista. “Não adianta sensibilizar os educadores e deixar que a merendeira ou o porteiro, que muitas vezes, inconscientemente, podem ter atitudes discriminatórias, fiquem de fora do conteúdo apresentado. Quem de fato quer fazer a diferença na comunidade escolar envolve o coletivo. Incluir a temática Letramento racial na pauta de HTPC é uma forma de combater e acima de tudo prevenir o racismo no ambiente escolar” enfatizou.

Paula Louback, coordenadora pedagógica do CEC Piaquara, elogiou o conteúdo apresentado por Thiago Morais, que atua no Programa SOS Racismo. “A maneira como o Thiago nos ‘provocou’ a pensar sobre o racismo, nos movimentou para que as questões étnicos-raciais estejam cada vez mais presentes nas nossas discussões e no nosso dia a dia”, comentou.

O número do Programa SOS Racismo é o (16) 99626-9466, sendo este um canal de orientação e acompanhamento das denúncias de todas as formas discriminação racial, injúria e preconceito motivado pela cor da pele e/ou etnia.

Redação

Mais Artigos

Últimas Notícias