sábado, 15, junho, 2024

Delorges Mano fala sobre preço da água, qualidade e investimentos ao deixar o Daae

O emedebista sai da autarquia para disputar a vaga de vice-prefeito nas eleições municipais que acontecem em outubro

Mais lido

Por José Augusto Chrispim

O advogado Delorges Mano está deixando a superintendência do Departamento Autônomo de Água e Esgotos (Daae) nesta semana, pois vai disputar a vaga de vice-prefeito nas próximas eleições que acontecem no próximo dia 6 de outubro.

Na última semana, Delorges Mano e o gerente de Finanças, Ronaldo Venturi, apresentaram os números da autarquia durante a audiência Pública que foi realizada na Câmara Municipal. Entre os meses de janeiro a abril deste ano, foram arrecadados R$ 72.362.000 em receitas, incluindo R$ 1.599.000 provenientes de recursos do Financiamento à Infraestrutura e ao Saneamento (Finisa), que não estavam previstos no orçamento inicial. Enquanto isso, as despesas liquidadas atingiram o valor de R$ 49.688.000.

Os valores que o Daae tinha a receber de contribuintes somavam R$ 270.632.000, representando uma dívida ativa não tributária de R$ 254.560.000 no encerramento do 1º quadrimestre de 2024.

O emedebista, que permaneceu na autarquia no período de 1 de fevereiro de 2023 até esta quarta-feira (5), falou à reportagem sobre a importante missão de comandar a pasta que tem um orçamento milionário e que trata de um dos bens mais preciosos para a vida humana, a água.

Veja a entrevista na íntegra:

O Imparcial: Quais foram os principais investimentos do Daae nos últimos anos?

Delorges: “De 2017 a 2023, o DAAE somou quase R$ 107 milhões investidos na cidade, visando melhorias nos serviços prestados à população de Araraquara nas áreas de água e esgotos, resíduos sólidos e gestão ambiental. Além das melhorias nos serviços, estes investimentos têm colocado a gestão do Daae em lugar de destaque quando comparada com outros municípios. Como exemplo recente, ressaltamos que, em 2023, o DAAE recebeu nota 9,7 no Índice de Gestão de Resíduos (IGR), avaliação que nos coloca na 13ª colocação entre os 645 municípios do Estado de São Paulo. E também, em maio deste ano, o DAAE recebeu a segunda colocação na premiação de trabalhos técnicos (Projeto de Praças Sustentáveis) apresentados no Congresso da ASSEMAE, em Ribeirão Preto. O projeto Praça Sustentável foi iniciado pelo Daae em 2019, a partir de uma demanda de um grupo de moradores do Jardim Universal, que estava descontente com o uso indevido de uma área pública que servia de deposição irregular de resíduos. Com o objetivo de requalificar a área, pensando no menor custo de investimentos e, sobretudo, na reutilização de materiais que poderiam ser reaproveitados, foi concluída a primeira praça, naquele bairro. A partir daí os demais projetos seguiram a mesma lógica de requalificar espaços antes ocupados pela deposição irregular de lixo e entulho, permitindo novos usos, embelezamento do entorno e disponibilidade de área para o lazer contemplativo, com baixo custo, utilizando materiais processados na ETRCC (Estação de Tratamento de Resíduos da Construção Civil), como agregado reciclado, madeiras e sobras de tubulações utilizadas nas obras do Daae. Hoje, são 5 praças sustentáveis – Jardim Universal, Jardim Dumont, Santa Angelina, Victório de Santi e a última inaugurada no Cambuy, a Praça Sustentável “Loui de Moraes Bego”. Outra característica importante do projeto é que ele acontece em áreas próximas aos PEVs (Pontos de Entrega de Volumosos), permitindo que a população compreenda que a implantação de um PEV não descaracteriza nem desvaloriza o local, e que é um espaço educador visando à sensibilização da população e à mudança de hábitos.

Dos muitos investimentos do Daae nestes últimos anos, destacamos:

– Aquisição de bombas submersas reserva para poços profundos;

– Aquisição de equipamentos e veículos (caminhão basculante, retroescavadeira, caminhonete e motocicleta);

– Construção de 3 (três) reservatórios de água potável (Selmi Dei, São Rafael e Cruzes);

– Perfuração de 10 (dez) poços profundos, incluindo equipamentos elétricos e de bombeamento;

– Elaboração de projetos, como Plano Diretor de Água, Plano de Segurança da Água, Plano de Gestão de Perdas, projeto executivo completo da nova ETE Araraquara;

– Reforma do Refeitório;

– Várias inaugurações, dentre elas a inauguração de 5 praças sustentáveis

– Inauguração da Unidade de Inteligência Operacional (Antigo CCO – Centro de Controle Operacional), dentre outros.

–  Execução de adutora de recalque entre a ETA Paiol e o CPR do Parque Planalto

– Desassoreamento da represa de captação do Paiol

– Revitalização do Parque do Basalto – R$ 1,8 milhão, em parceria com a Prefeitura

– Revitalização da Área de Preservação Permanente do Córrego do Tanquinho e do

Pinheirinho

– Construção de dois novos Pontos de Entrega de Entulhos e Volumosos e um Ponto de Entrega da Comunidade – R$ 677 mil

– E o outros R$ 7 milhões investidos em Meio Ambiente pelo Daae desde 2017”.

O Imparcial: Qual é o nível de pureza da água consumida em Araraquara? 

Delorges: “A água distribuída em Araraquara atende aos padrões de potabilidade exigidos pela PORTARIA GM/MS Nº 888, DE 4 DE MAIO DE 2021, do Ministério da Saúde. Vale reforçar que os investimentos realizados pelo Daae buscam justamente o aperfeiçoamento dos serviços e, consequentemente, a melhoria da qualidade da água consumida pelos araraquarenses, que podem ficar tranquilos e cientes de que contam com água potável e de excelente qualidade para seu consumo”.

O Imparcial: O preço da água em Araraquara é considerado alto pela população. Como é feita a composição desse valor?

Delorges: “A composição do preço da água é realizada pela Agência Reguladora – ARES, sendo composta dos seguintes fatores:

1. Gastos com materiais e insumos;

2. Gastos com serviços de terceiros;

3. Gastos com energia elétrica, sendo este o maior deles;

4. Planejamento e investimentos.

Uma comparação recente de preços praticados em 33 municípios do mesmo porte de Araraquara, sendo alguns deles regulados pela ARES e outros pela Sabesp, aponta Araraquara como a 8ª cidade com a água mais barata. E enfatizamos que aqui não há consumo mínimo”.

O Imparcial: Como o senhor vê a sua passagem pela superintendência do Daae? Quais foram as suas principais conquistas?

Delorges: “Me sinto honrado por estar à frente desta Autarquia, que é um exemplo em saneamento. O Daae é uma empresa dos araraquarenses, com uma equipe altamente qualificada e que está sempre pronta a atender a nossa população”.

O Imparcial: Quais são os maiores desafios enfrentados pela Autarquia na área do Meio Ambiente?

Delorges: “Os desafios enfrentados pela Autarquia são vários. Mas um deles, que nos preocupa muito, é o descarte irregular de resíduos da construção civil e volumosos, lembrando que o DAAE possui 11 bolsões para o descarte correto desses materiais. Assim como é lamentável a postura de alguns munícipes que insistem na prática de dispensar lixo em terrenos, já que 100% da cidade conta com serviço de coleta de lixo orgânico e de reciclados”.

O Imparcial: As previsões para 2025 do Daae apresentadas em Audiência Pública tem expectativa de despesas no valor de R$ 214,8 milhões. Quais são os projetos futuros do Daae?

Delorges: “O DAAE tem a previsão de arrecadar R$ 214,8 milhões em 2025, os quais serão utilizados para o custeio da Autarquia, ou seja, folha de pagamento, manutenções, produtos químicos, energia elétrica, bem como com investimentos, os quais totalizam R$ 21,3 milhões, sendo os principais:

– Construção de Poço Profundo: R$ 6,5 milhões;

– Aquisição de Hidrômetros: R$ 4 milhões

– Recuperação de Reservatórios: R$ 2 milhões;

– Desassoreamento da Captação das Cruzes: R$ 1,5 milhões

– Reforma e Ampliação de Próprios: R$ 1 milhão;

– Execução de Redes e Ligações de Água: R$ 750 mil;

– Construção e Recuperação de Interceptor de Esgotos: R$ 700 mil”.

O Imparcial: O que o araraquarense pode comemorar nos 55 anos de criação do Daae?

Delorges: “Araraquara pode comemorar esses 55 anos do DAAE com muita satisfação, pois temos como objetivo a melhoria contínua dos serviços prestados (água, esgoto, resíduos sólidos e gestão ambiental) no município de Araraquara. O Departamento Autônomo de Água e Esgotos (Daae) busca, por meio da missão, visão e valores próprios, o aprimoramento enquanto grande prestadora pública dos serviços de saneamento”, finalizou Delorges.

Redação

Mais Artigos

Últimas Notícias