sábado, 15, junho, 2024

Dermatologista da Unimed Araraquara fala sobre os riscos do peeling de fenol

A Dra. Luciana prefere procedimentos menos agressivos, menos invasivos e com menos complicações

Mais lido

O falecimento de um jovem de 27 anos por conta de uma aplicação de um peeling de fenol por uma influencer de 29 anos reascendeu a discussão em torno da importância de sempre se procurar um médico especialista para procedimentos e orientações envolvendo a saúde, de maneira geral.

Infelizmente banalizaram este peeling, como estão banalizando vários procedimentos na medicina. Então, sempre oriento aos pacientes, a todos, a procurar um médico capacitado, comenta a dermatologista da Unimed Araraquara Dra. Luciana Reis Gulla.

Segundo a especialista, o peeling de fenol para os médicos é conhecido há muitos anos pelos dermatologistas, sendo a substância cardiotóxica e nefrotóxica. Então, ele não pode ser aplicado em qualquer paciente.

Todo paciente que tem a indicação, principalmente aqueles que possuem um envelhecimento grave, tem que passar por alguns exames laboratoriais e ele, normalmente, é realizado em um ambiente hospitalar, no centro cirúrgico. Eu prefiro procedimentos menos agressivos, menos invasivos, e com menos complicações, pontua.

Tal técnica faz com que o fenol penetre na camada mais superficial da pele (epiderme), causando a necrose daquela “antiga pele” e induz uma reação inflamatória nas camadas mais internas da pele, como a derme. Ele estimula a produção de colágeno e consequentemente “nasce” uma pele mais rejuvenescida. Após realizado, há riscos de cicatrizes, manchas ou infecções. Todos esses detalhes só reforçam o quão essencial é o acompanhamento médico para o sucesso do procedimento, finaliza.

Redação

Mais Artigos

Últimas Notícias