quinta-feira, 29, fevereiro, 2024

Edinho faz balanço do mandato e projeta disputa polarizada pela Prefeitura em 2024

Em entrevista exclusiva, o petista falou sobre construção de casas populares, atrasos em obras, transporte público e de seu último ano à frente do Executivo

Mais lido

Por José Augusto Chrispim

Prestes a iniciar seu último ano à frente da Prefeitura de Araraquara, Edinho Silva (PT) falou com exclusividade à reportagem do O Imparcial sobre os desafios que encontrou em seu atual mandato, principalmente no enfrentamento à pandemia do Coronavírus, que tirou as vidas de quase 800 pessoas na cidade. O petista falou também sobre a sua sucessão que já teve o nome escolhido pelo Partido dos Trabalhadores e que pode levar Araraquara a ter a primeira mulher a governa-la.

Quadro importante no partido do presidente Lula, Edinho participou do governo de transição ao final do ano de 2022 e também da campanha do candidato derrotado à Presidência da Argentina, o peronista Sergio Massa.

O prefeito fez um balanço sobre os problemas enfrentados pelo araraquarense como atrasos em obras importantes, atrasos e falta de ônibus nas linhas do transporte coletivo, construção de casas populares, entre outros assuntos importantes.

Veja a entrevista na íntegra:

O Imparcial: Apesar de não ser marca de seus governos a construção de casas populares, com a volta do Minha Casa Minha Vida, a Prefeitura irá construir 400 casas populares com previsão de chegar a 1.600 imóveis. Quantas casas seriam necessárias hoje para zerar o déficit habitacional no município?

Edinho: “Para zerar o déficit habitacional precisaríamos construir por volta de umas 6 mil casas, mas o importante é que voltou o Minha Casa Minha Vida, e temos perspectivas de entregar casas com prestações que sejam acessíveis, que é o que a população quer. Eu estou muito otimista com essas primeiras 400 casas, e a prefeitura tem condições de oferecer mais áreas, aí o valor da área reduz mais o custo, então eu tenho certeza que é o início de um processo onde nós vamos conseguir trazer milhares de casas para a cidade”.

O Imparcial: Falando em eleições, na sua opinião, a melhora na economia do país e, por consequência na vida do povo brasileiro com o governo Lula, deve reduzir a força do bolsonarismo nas eleições municipais de 2024?

Edinho: “Eu penso que o Brasil vive uma situação de muita polarização, o país está literalmente dividido ao meio. Na minha avaliação, a fotografia de outubro de 2022 ainda é a fotografia de hoje, e penso que, a não ser que tenha algum fato diferente da atual conjuntura, esse desse ser o cenário das eleições municipais de 2024. Eu penso que com o avanço do crescimento com o governo Lula, a possibilidade do crescimento econômico com a queda do desemprego, entre outras melhoras, talvez a gente consiga avançar um pouco e quebrar essa polarização. Eu acho que há um percentual do eleitor do Bolsonaro que não é homofóbico, que não é racista, que não é contra a ascensão social, enfim, ele votou no Bolsonaro por vários motivos daquele momento da conjuntura política, mas não significa que ele defende aquilo que o Bolsonarismo defende. Acho que esse eleitor está mais aberto ao diálogo e em quebrar esse ambiente de polarização, é nisso que eu acredito, mas para que isso aconteça tem que haver fatos novos na conjuntura”.

O Imparcial: Para você, quais as chances de Araraquara ser governada por uma mulher pela primeira vez, a partir de 2025?

Edinho: “As chances são grandes, não só porque é muito importante, pois seria histórico do ponto de vista da simbologia, porque abriria uma nova perspectiva para a cidade de Araraquara, pois a partir do momento que uma mulher governe a cidade, as meninas passam a enxergar que elas também podem e isso empodera a mulher, faz com ela reivindique o protagonismo. Eu acho isso transformador, mas penso que nós temos chance de isso acontecer, nesse caso a Eliana Honain por tudo que ela fez na pandemia, pela gestora que ela se mostrou, pela sua capacidade de administrar no momento mais difícil da vida da nossa população, os programas sociais que ela liderou, a forma como ela liderou com o recurso público, por tudo isso, eu acho que hoje a Eliana Honain é o quadro mais preparado para governar a nossa cidade”.

O Imparcial: Em caso de vitória de sua escolhida como pré-candidata à Prefeitura, Eliana Honain, o que se pode esperar dela como administradora e como articuladora política?

Edinho: “A Eliana é uma mulher que tem 38 anos de vida pública como enfermeira da prefeitura de Araraquara. É uma mulher que governou a Saúde de Araraquara no seu pior momento e teve firmeza e pulso forte para conduzir a cidade naquele momento, sendo a secretária da Saúde. É uma mulher que dialoga todos os dias com a Câmara Municipal. Talvez os vereadores sejam melhores do que eu para falar da capacidade dela de articulação e o quanto ela é respeitada na Câmara, o quanto ela é uma figura de diálogo. Eu não tenho nenhuma dúvida que ela é a pessoa mais preparada para que a cidade continue sendo uma cidade economicamente forte, como é hoje, mas também uma cidade que lidere e valorize programas sociais, que crie um colchão social na cidade que é extremamente importante, pois Araraquara foi considerada a segunda cidade mais segura do Brasil, e a gente deve isso muito a nossas forças policiais e à Guarda Municipal, mas também deve muito ao colchão social que a cidade tem hoje que disputa o jovem e o adolescente com a criminalidade, que impede que o infrator volte para a criminalidade, por tanto, se a gente tem um ambiente hoje de não violência, se deve muito aos programas sociais e a Eliana Honain é a pessoa mais capaz para liderar a cidade hoje fazendo com que Araraquara continue crescendo, mas mantendo esse colchão social”.

O Imparcial: Em meio a tantos atrasos em obras municipais como a da Ponte dos Machados, você acredita que conseguirá terminar obras importantes como os equipamentos públicos da região do Selmi Dei (região Norte) e do Teatro Municipal até o final de seu mandato?

Edinho: “Nós enfrentamos na pandemia uma situação muito difícil, pois várias obras tiveram que ser suspensas, porque nós drenamos todos os recursos públicos para o enfrentamento à pandemia, muitos contratos de manutenção da cidade foram suspensos, outros encerrados, já que o centro da nossa atuação era salvar vidas colocando dinheiro no enfrentamento à pandemia. Em 2022, nós começamos a retomada dos nossos contratos, começamos a repactuar contratos de obras que estavam paradas e, eu não tenho nenhuma dúvida, pois esse ano nós estamos entregando 31 obras, boa parte delas, obras que sofreram com a pandemia, e no ano que vem, te digo sem nenhum receio, que serão entregues centenas de obras na cidade, e boa parte delas, obras que foram suspensas durante a pandemia e obras importantes escolhidas pelo Orçamento Participativo. Posso citar o Teatro Municipal, as pontes que foram refeitas devido aos estragos das chuvas, obras da Educação das regiões Norte e Sul, a escola do Valle Verde que já está em fase final, a Maria Pradeli Malara que também está em fase final, a escola do São Rafael, a ampliação do CER do Valle Verde, nós vamos iniciar a obra do Altamira Mantesi, devemos ampliar ainda a Unidade de Saúde do Valle Verde, vamos construir o Cras do Valle Verde, entre outras”.

O Imparcial: O transporte coletivo de Araraquara está operando muito abaixo do esperado. Com o subsídio de R$ 500 mil aprovado na Câmara Municipal, essa situação tende a melhorar? Isso será fiscalizado?

Edinho: “Desde que nós voltamos da pandemia, ainda não conseguimos retornar o transporte público da forma como nós queríamos, ele melhorou, mas ainda está longe do que a gente quer que ele seja. As empresas alegam que têm uma defasagem de custo operacional muito grande, nós não queremos jogar esse custo nas costas do usuário, então a saída que nós encontramos foi essa do aumento do ITBI, pois Araraquara é uma das poucas cidades do estado onde o ITBI era de 2% do valor do imóvel, na maior parte das cidades o imposto é de 3%. Aí nós fizemos esse estudo de subir 1% no ITBI e com ele fazer um fundo para criar um subsídio, mas em contrapartida, as empresas devem aumentar o número de ônibus circulando. Outra coisa que eles reclamam é a queda de passageiros devido ao advento do UBER e dos mototáxis. Agora, com esse subsídio, a gente quer além de desonerar o usuário, quer essa contrapartida das empresas, além do fato que os encargos da época da concessão têm que ser cobrados e eles terão que começar a cumprir”.

O Imparcial: Quais foram as principais conquistas desse mandato e o que o araraquarense pode esperar de seu último ano à frente da Prefeitura?

Edinho: “Eu penso que nesse meu último mandato certamente a maior conquista foi o enfrentamento da pandemia, não considero nada maior do que isso, porque ter conduzido a prefeitura durante a pandemia foi algo muito difícil, extremamente angustiante, mas quando a gente olha para trás e vê quanto que a gente conseguiu salvar de vidas e quanto a gente cuidou do povo de Araraquara é extremamente gratificante. Depois em 2022, nós enfrentamos aquelas trombas d’água que também exigiram muito de nós, exigiu que a prefeitura tivesse de correr atrás de recursos e trazer verbas para que a cidade fosse recuperada rapidamente. Mas eu penso também que foi um ano importante na economia com a criação da nova linha de montagem dos caças Gripen na Embraer, que o Lula veio inaugurar, pois a cidade que tem mais impacto positivo com esse investimento é Araraquara, além disso, a inauguração da nova linha da cervejaria Heineken que é como se tivéssemos trazido uma nova fábrica para a cidade, a ampliação das redes atacadistas no município com o Paulistão e as chegadas do Grikki e a rede Calunga. Agora, eu acho que foi muito importante também a concessão do complexo da Fonte Luminosa, pois esse investimento vai mudar totalmente o perfil econômico de Araraquara. Nós estamos falando de uma empresa privada que vai dar sentido econômico para aquilo que a gente sempre defendeu, que Araraquara fosse uma cidade referência para o turismo de negócios, tanto para as feiras como para shows e convenções. Eu penso que isso está muito próximo da realidade agora em 2024. A empresa já está construindo seu calendário do ano que vem que conterá vários shows e eventos que com certeza vão fomentar muito a economia de Araraquara. Além disso, existe um plano de investimento nas áreas que serão usadas”, concluiu Edinho.

Redação

Mais Artigos

Últimas Notícias