quinta-feira, 29, fevereiro, 2024

Lula estreita relações com sauditas, que podem investir no Brasil US$ 9 bilhões

Acordos com o governo e empresas do país árabe envolvem investimentos no PAC e cooperação com a Embraer

Mais lido

O governo federal informou nesta quinta-feira (29) que, como resultado da missão oficial do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) na Arábia Saudita, a Embraer assinou três acordos de cooperação com o governo e empresas daquele país. As áreas contempladas são a aviação civil, defesa e segurança, além de mobilidade aérea urbana.

“Eu estou disposto a defender as empresas brasileiras no exterior, porque é papel do presidente promover as empresas do seu país. Por isso, estou aqui na Arábia Saudita, no evento da Embraer, a terceira maior fabricante de aeronaves comerciais do mundo”, disse Lula aos sauditas na capital Riad.

“O Brasil não é apenas o país do futebol e do carnaval. O Brasil também tem uma base intelectual, científica e tecnológica. Um sistema financeiro sólido e muitas empresas de ponta. E é esse desafio que queremos propor aos companheiros sauditas: parcerias entre nossos países para gerar emprego e renda”, acrescentou.

Segundo o governo Lula, os acordos a serem assinados pela Embraer com os sauditas envolvem cooperação e parcerias com o Ministério de Investimento do país árabe e com a Autoridade Aeronáutica saudita.

Energia limpa, ciência e tecnologia

Um dos pontos da conversa de Lula com o príncipe herdeiro e primeiro-ministro da Arábia Saudita, Mohammed bin Salman, foi o investimento de US$ 10 bilhões que o Fundo Soberano Saudita planeja aplicar no Brasil. Desse montante, US$ 9 bilhões estão previstos para os próximos sete anos.

Devem ser abrangidos projetos na área de energia limpa, hidrogênio verde, defesa, ciência e tecnologia, agropecuária e “aportes em infraestrutura conectados ao Novo PAC”, segundo o governo brasileiro.

Lula e bin Salman projetam que as transações comerciais entre os dois países, que chegam a 50 anos, evoluam dos atuais US$ 8 bilhões para US$ 20 bilhões até 2030.

Crise climática na pauta com os sauditas

Em Riad, capital saudita, Lula mencionou a reaproximação com os países árabes e destacou, nessa relação, o potencial para a transição energética e ações de combate à crise climática. O Brasil vai apresentar na COP-28, que começa amanhã em Dubai, avanços no controle do desmatamento e ações conectadas à preservação e proteção das florestas tropicais, ainda segundo o Planalto.

A Arábia Saudita tem projetos de produzir 90 GW de energia limpa até 2030, dentro e fora do país. “O Brasil é um dos países com maior potencial para receber investimentos com esse fim, em energias renováveis, como o hidrogênio verde”, diz o governo.

Redação

Mais Artigos

Últimas Notícias