sexta-feira, 1, março, 2024

Cerimônia marca a posse do Conselho Municipal de Políticas Públicas para Pessoa Imigrante

Posse integra a programação da Semana dos Direitos Humanos "Cidadania além das fronteiras: a proteção como direito", realizada de 1º a 10 de dezembro

Mais lido

O prefeito Edinho e equipe de governo participaram, na noite de segunda-feira (4), da cerimônia de posse dos integrantes do Conselho Municipal de Políticas Públicas para Pessoa Imigrante. O ato fez parte da programação da Semana dos Direitos Humanos “Cidadania além das fronteiras: a proteção como direito”, realizada de 1º a 10 de dezembro, com uma série de atividades, pela Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Participação Popular e Coordenadoria de Direitos Humanos.

O Conselho Municipal de Políticas Públicas para Pessoa Imigrante foi criado pela Lei Municipal n° 10.653, de 30 de novembro de 2022, por indicação da vereadora Fabi Virgílio (PT), tendo como objetivo ampliar a participação de imigrantes na formulação, implementação e monitoramento das políticas municipais, além de atuar como um órgão de consulta para defesa de direitos, valorização social, cultural, política e econômica do imigrante.

“Tenho muito orgulho desse trabalho que a Prefeitura de Araraquara tem feito em relação a nossa população imigrante. Se nós queremos construir uma sociedade que de fato seja justa e humana, essa sociedade tem que ser acolhedora”, declarou o prefeito Edinho, na abertura da cerimônia de posse. “Nosso município foi construído por imigrantes. E a população que veio ajudou a fazer de Araraquara a cidade que ela é. É impossível pensarmos no desenvolvimento do Brasil sem entendermos a importância da população imigrante. Enquanto prefeito, quero que Araraquara seja uma cidade acolhedora e cuidadora. Que tenha políticas públicas para a população imigrante e refugiada. E que nós possamos mostrar ao mundo que é possível desenvolvermos as nossas economias, nossas regiões, sem que esse desenvolvimento seja marcado pelo egoísmo, preconceito e discriminação.

Uma cidade que sabe acolher é uma cidade moderna, progressista. Que sinaliza, inclusive, para investidores. Araraquara soube se desenvolver e crescer com essa pluralidade, acolhendo a todos. O Conselho é de grande importância para que Araraquara seja, cada vez mais, uma cidade humana”, concluiu, agradecendo a presença de todos no ato.

A vereadora Fabi Virgílio (PT), autora a indicação que deu origem à lei municipal de criação do Conselho, se emocionou na saudação aos integrantes empossados e relembrou ainda o processo de acolhimento de imigrantes venezuelanos iniciado pela Igreja Adventista do Sétimo Dia e depois os professores do programa de Português como Língua de Acolhimento (Plac) da Unesp Araraquara. “Araraquara tem o poder gigantesco de conectar pessoas e sonhos, de maturar as dores e fazer com que essas dores se transformem em amores”, afirmou, destacando o trabalho de Renata Fattan à frente da coordenadoria dos Direitos Humanos, que vem atuando com os imigrantes atendidos pelas políticas públicas do município.

Aos imigrantes presentes, ela afirmou: “Espero nunca viver essa dor de chegar a um país diferente, com língua diferente, sem minha família, meus amigos. Que Araraquara seja realmente essa cidade acolhedora que possa dar condições a vocês para que reconstruam suas vidas e para que possam também retornar a seus países quando quiserem, se quiserem. Sejam muito bem-vindos à nossa cidade”, finalizou.

Marcelo Mazeta, secretário municipal de Direitos Humanos e Participação Popular, enalteceu a participação de todos os setores do governo municipal no trabalho de acolhimento dos imigrantes.

“Hoje temos aqui a representatividade do governo, de diversos setores que têm atuado conosco na construção dessa política pública e, acima de tudo, temos aqui os legítimos representantes do conselho, que são os imigrantes de vários países. Precisamos continuar trabalhando para que Araraquara seja de fato uma cidade acolhedora, solidária e que cumpra seu papel de construção de política pública intersetorial”, declarou Mazeta, agradecendo sua equipe, com destaque para a coordenadora de Direitos Humanos, Renata Fattah. “Renata tem trabalhado intensamente para dar essa resposta à altura aos nossos imigrantes acolhidos. Araraquara está de portas abertas”, concluiu.

Além de Renata Fattah, do secretário municipal Marcelo Mazeta e da vereadora Fabi Virgílio, também fizeram parte da mesa de autoridades Damiano Neto, vice-prefeito e secretário municipal do Trabalho, Desenvolvimento Econômico e Turismo, e Nathália Rigolin, coordenadora municipal de Participação Popular.

Semana dos Direitos Humanos

Realizada pela Coordenadoria de Direitos Humanos da Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Participação Popular, a Semana dos Direitos Humanos “Cidadania além das fronteiras: a proteção como direito” prossegue nesta quarta-feira (6), com o Mutirão da Pessoa com Deficiência, na Casa dos Conselhos (Av. Portugal, 583 – Centro) onde será feito o cadastro para inserção nos programas sociais do município, das 10 às 16 horas.

No sábado (9), às 15h, será feita a entrega de certificados para a primeira turma do Curso de Português para Imigrantes no Núcleo de Educação de Jovens e Adultos (NEJA) Irmã Edith (Rua Voluntários da Pátria, nº 2154, Centro)

E a programação termina no domingo (10), com o 1º Torneio de Futsal Feminino “Esther Martins dos Santos”, das 8h às 18h, no Ginásio Esportes Castelo Branco, Gigantão.

Redação

Mais Artigos

Últimas Notícias